29 de abr de 2010

Imperador, o artilheiro magoado, ignora vibração, mas dá sinal de reação no Fla.

0

A mesma mão que bate afaga. A mesma torcida que xinga, uma semana depois, volta a idolatrar. Mas do alto de sua realeza, o Imperador não perdoou facilmente. Quando acertou o canto direito de Julio Cesar e garantiu a vitória por 1 a 0 do Flamengo sobre o Corinthians, pelas oitavas de final da Libertadores, Adriano esboçou correr para os seus súditos e explodir numa simbiose de fúria e alegria.

Era a hora de extravasar. Mas, sabe-se lá por que, a frieza falou mais alto. Cara de mau, cabeça baixa e o abraço dos companheiros. Para a torcida que o saudava aos gritos de “Imperador voltou”, a indiferença foi cruel. As feridas das ofensas que recebeu após a pífia atuação contra o Caracas ainda não cicatrizaram.

O centroavante ainda não é aquele que encantou o Brasil no segundo semestre de 2009. Mas em uma comparação direta com Ronaldo, a diferença foi nítida. O camisa 10 rubro-negro apresentou-se como um grande atacante em busca da melhor forma física. Do outro lado, massacrado pelas ofensas das arquibancadas, o Fenômeno aparentava ser um ex-craque absolutamente fora de forma.


Mas o brilho da noite recaiu sobre Adriano. Salvo quando Ronaldo foi substituído e recebeu no rosto constrangido, irritado, a luz de laser que um inconveniente torcedor rubro-negro insistia em mirar no campo.

Nem precisava. Se no mano a mano Adriano fraquejou e perdeu para Chicão boa parte das tentativas, de uma forma geral ele mudou a postura. Um simples pique em busca de zagueiros fez a arquibancada se agitar, reverenciar o ídolo maior de um time que viu o “caldo entornar” em 2010.

De campeão brasileiro a equipe na bagunça. As críticas se multiplicaram ao Flamengo e, claro, a Adriano. A saída de campo foi discreta, sem entrevistas. No ombro, carregou uma camisa do Corinthians, time que novamente afundou. Foi assim no primeiro turno do Brasileiro. Naquela ocasião, o Flamengo venceu por 1 a 0, gol dele. Pouco para a quantidade de chances que ele desperdiçou na tarde daquele domingo. Para penitenciar-se, cascudos.

Os socos na careca retornaram na quarta-feira. Principalmente quando cabeceou, o goleiro do Timão defendeu, e a bola bateu na trave. Seria a chance da vantagem por 2 a 0 e, quem sabe, da esperada explosão. Os últimos sete gols dele pelo Flamengo não tiveram a comemoração. Na única vez em que quebrou o silêncio, ele jurou que não era mágoa ou raiva de ninguém. Explicação dada, mas difícil de aceitar. É notório o desconforto da figura real com as críticas.

Mas é hora da volta por cima. As lágrimas pelas saídas de Andrade e Marcos Braz secaram rapidamente. Nos últimos dias de treino, foi quase sempre o último a sair, quase sempre o único a deixar o gramado sem esboçar sorrisos. A figura sisuda para consumo externo não existe entre os companheiros. Com o grupo, Adriano é recebe apenas uma nomenclatura. Simples, mas que resume tudo.

- Ele é nosso Imperador. Confiamos muito nele e queremos que ele tenha boas atuações para disputar a Copa do Mundo – disse David.


Ainda interino, Rogério Lourenço deu um diagnóstico da situação atual da estrela da companhia rubro-negra. Depois de momentos de apatia, crises conjugais e negligência com a balança, o despertar com a proximidade da convocação de Dunga para a Copa da África do Sul.

- Pelo curto período que trabalho, só posso falar que vi um Adriano treinando muito, querendo muito, e se continuar, e sei que vai continuar, voltará a ser o Adriano que todos conhecem. Contra o Corinthians já fez uma partida bem melhor - disse o treinador.

Nesta quinta-feira, todo o elenco do Flamengo tem folga. A reapresentação acontece na tarde de sexta-feira, no Ninho do Urubu.

Fonte: G1

0 Responses to "Imperador, o artilheiro magoado, ignora vibração, mas dá sinal de reação no Fla.":

Postar um comentário

 
Copyright 2010 Marcelo Sports